ADOLESCÊNCIA

PERÍODO INICIAL: O crescimento acelerado é uma característica importante da puberdade.

É mais pronunciado nas extremidades em relação ao tronco, e com isso os acidentes desastrados com as mãos são freqüentes até adaptação das novas proporções físicas. Na fase conhecida como estirão da puberdade, as meninas crescem 8 a 10 cm ao ano e os meninos, 9 a 12 cm. Como a puberdade feminina costuma iniciar antes da masculina, dos 10 aos 14 anos as meninas tendem a ser mais altas do que os meninos da mesma idade. A desaceleração do crescimento nas meninas ocorre após a menstruação, quando crescem em média 7 cm até a estatura final.

Em meninas, o primeiro sinal visível de puberdade é o aparecimento de brotos mamários, entre 8 e 13 anos. A menstruação começa tipicamente 2 a 2,5 anos depois (faixa normal, 9 a 16 anos), próximo ao pico de velocidade da estatura. Alterações menos óbvias incluem o aumento dos ovários, útero, lábios e clitóris

Em meninos, o aumento dos testículos começa aos 9,5 anos. O crescimento máximo ocorre quando os volumes testiculares atingem cerca de 9-10 cm3 . Ocorre algum grau de hipertrofia da mama em 40-65% dos meninos púberes. O aumento da mama nos meninos pode causar embaraço e incapacidade social ocorre em menos de 10%. A obesidade pode exacerbar a ginecomastia e deve ser tratada com dieta e exercício.

O surto de crescimento começa distalmente, com aumento das mãos e dos pés, seguido pelos braços e pernas e, por fim, pelo tronco e tórax. Os aumentos hormonais promovem acne. Alterações dentárias incluem crescimento da mandíbula, queda dos últimos dentes decíduos e erupção dos caninos, pré-molares e, por fim, dos molares permanentes.

SEDUALIDADE. O interesse por sexo aumenta no início da puberdade. A ejaculação ocorre pela primeira vez, em geral durante a masturbação, e depois espontaneamente no sono. No período inicial da adolescência, os adolescentes às vezes masturbam-se socialmente; a exploração sexual mútua não é necessariamente um sinal de homossexualidade.

DESENVOLVIMENTO COGNITIVO E MORAL. Na teoria piagetiana, a adolescência marca a transição do pensamento operacional concreto típico das crianças em idade escolar para operações lógicas formais. As operações formais incluem a capacidade de manipular abstrações como expressões algébricas, raciocinar a partir de princípios conhecidos, ponderar muitos pontos de vista de acordo com critérios variáveis e pensar sobre o próprio processo de pensamento. No período inicial, alguns adolescentes demonstram raciocínio formal, outros adquirem a capacidade mais tarde e outros nunca a adquirem. Não está claro se as alterações hormonais afetam ou não diretamente o desenvolvimento cognitivo. O desenvolvimento do pensamento moral acompanha aproximadamente o desenvolvimento cognitivo geral.

AUTOCONCEITO. A inibição aumenta exponencialmente em resposta às transformações somáticas da puberdade. Nessa idade, tende a centralizar-se em características externas , ao contrário da introspecção do final da adolescência.

RELAÇÕES COM A FAMÍLIA, PARES E SOCIEDADE. No início da adolescência, acentua-se a tendência à separação da família, com envolvimento crescente em atividades com outros adolescentes. Uma expressão simbólica dessa mudança é a renúncia às normas da família sobre vestir-se e cuidar-se em favor do “uniforme” do grupo de pares.

Adolescente do período inicial freqüentemente socializam-se em grupos do mesmo sexo. Piadas escatológicas, brincadeiras irritantes direcionadas contra o outro sexo e criação de boatos de quem gosta de quem atestam o florescimento do interesse sexual. Nessa fase, a relação do adolescente com a sociedade centraliza-se na escola.

IMPLICAÇÕES. O crescimento físico, a preocupação com o corpo e o interesse sexual correlacionam-se com a maturidade sexual, enquanto o avanço cognitivo, a separação e alterações do comportamento sexual podem correlacionar-se mais intimamente com a idade cronológica ou a série na escola.

Os adolescentes do período inicial muitas vezes tem dúvidas sobre as mudanças somáticas e sexuais que estão vivenciando.

 

ADOLESCÊNCIA – PERÍODO INTERMÉDIO

DESENVOLVIMENTO BIOLÓGICO. Na média, o surto de crescimento das meninas atinge seu máximo com 11,5 anos, em uma velocidade máxima de 8,3 cm por ano, e depois diminui, até parar com 16 anos de idade. Em meninos, o surto de crescimento começa mais tarde, atinge o pico com 13,5 anos, com 9,5 cm por ano, e depois diminui, até cessar com 18 anos de idade. O ganho de peso acompanha o crescimento linear, com um retardo de vários meses, de forma que os adolescentes parecem primeiro esticar e depois engordar. Os ganhos de peso puberais representam aproximadamente 40% do peso adulto. A massa muscular também aumenta, seguida, vários meses depois, por um aumento da força; os meninos mostram maiores ganhos em ambos.

O alargamento dos ombros em meninos e quadris em meninas também é determinado hormonalmente. A estimulação hormonal resulta em acne e odor corporal.

 

SEXUALIDADE. Os namoros tornam-se uma atividade normativa durante o período intermédio da adolescência. O grau de atividade sexual varia muito. A maturação biológica e as pressões sociais combinam-se para determinar a atividade sexual. Pode ocorrer algum tipo de experiência homossexual que não necessariamente reflete a orientação sexual final da criança. Os adolescentes homossexuais correm maior risco de isolamento e depressão.

Além da orientação sexual, os adolescentes nessa fase começam a diferenciar outros aspectos importantes da identidade sexual, incluindo crenças sobre o amor, honestidade e propriedade. Os namoros costumam ser superficiais nessa idade, enfatizando a atração e a experimentação sexual, em vez da intimidade.

DESENVOLVIMENTO COGNITIVO E MORAL. Com a transição para o raciocínio operacional formal, os adolescentes do período intermédio questionam e analisam extensamente. O questionamento de convenções morais promove o desenvolvimento de códigos de ética pessoais.

AUTOCONCEITO. O grupo de pares exerce menos influência sobre o modo de vestir, atividades e o comportamento. Os adolescentes do período intermédio freqüentemente experimentam diferentes personalidades, modificando estilos de vestir, grupos de amigos e interesses de um mês para outro.

 

RELAÇÕES COM A FAMÍLIA, PARES E A SOCIEDADE. A puberdade comumente resulta em relações tensas entre os adolescentes e seus pais. Como parte da separação, os adolescentes podem tornar-se distantes dos pais, redirecionando as energias emocionais e sexuais para as relações com pares. Os adolescentes do período intermédio freqüentemente começam a pensar seriamente sobre o que desejam fazer na idade adulta, uma pergunta que, antes, confortavelmente hipotética.

IMPLICAÇÕES A maturação física e sexual, as modificações do comportamento sexual e da identidade, a distância emocional dos pais, a diminuição da influência do grupo de pares, a introspecção e a crescente percepção da vida após a infância combinam-se para tornar o período intermédio da adolescência uma fase em que a oportunidade de conversar confidencialmente com um adulto informado e livre de julgamentos pode ser particularmente apreciado e útil.

 

ADOLESCÊNCIA: PERÍODO FINAL

DESENVOLVIMENTO BIOLÓGICO. Os estágios finais de desenvolvimento dos seios, pênis e pêlos pubianos ocorrem por volta de 17-18 anos em 95% dos homens e mulheres.

DESENVOLVIMENTO PSICOSSOCIAL. A experimentação sexual diminui à medida que os adolescentes adotam identidades sexuais mais estáveis. A cognição tende a ser menos egocêntrica, com pensamentos crescentes sobre conceitos como justiça, patriotismo e história. Os adolescentes maiores com freqüência são idealistas, mas também podem ser absolutistas e intolerantes com opiniões opostas. Relações íntimas também são um componente importante da identidade para muitos adolescentes maiores. As decisões sobre a carreira tornam-se urgentes porque o autoconceito do adolescente está cada vez mais ligado ao papel emergente na sociedade (como estudante, trabalhador ou genitor).

IMPLICAÇÕES A tarefa crucial da adolescência como aquela de estabelecer um senso de identidade estável, incluindo separação da família de origem, início de intimidade e planejamento realista para a independência econômica. Para alcançar esses marcos, é necessário progresso no desenvolvimento tanto do adolescente quanto dos pais.

 

 

Fonte: Nelson Textbook of Pediatrics