O uso de piercings e tatuagens está se tornando cada vez mais popular entre os jovens de diversos países e em todas as camadas socioeconômicas.

Esse fato decorre tanto pela procura de novidades - característica própria da juventude, quanto pelo estímulo indiretamente provocado pela mídia.

A adolescência é marcada pela procura de identidade e de independência, pela necessidade de experimentação, com oscilações e mudanças frequentes. Os pais, auxiliados pelo pediatra, devem dar orientações claras ao jovem, sobre todas as complicações que podem vir em curto e longo prazo. Estratégias de redução dos riscos, como as orientações de perfurações em partes menos sujeitas a complicações, podem ser úteis. Advertir o adolescente sobre os cuidados após a realização da tatuagem ou do piercing é fundamental. O diálogo com os adolescentes pode funcionar como fator de prevenção e proteção de riscos.

Aqui vão algumas informações que podem ajudar os pais nesse processo.

1. O que é piercing e tatuagem

A expressão piercing tem sido usada para designar um tipo de adorno inserido por perfuração em certas partes do corpo. Tatuagem é a pintura da pele com pigmentos insolúveis e definitivos.

2. A técnica utilizada para tatuagem e da colocação de piercing

A tatuagem é feita perfurando a pele com agulhas específicas para tal, adaptadas a aparelhos elétricos e em seguida colocando pigmentos. Ao se retirar a agulha, a pele aprisiona o pigmento em seu interior.

Os piercings geralmente são colocados sem anestesia. Uma agulha atravessa a pele e em seguida colocam o piercing. Até cicatrizar, a pele fica vulnerável e é preciso uma intensa vigilância para evitar complicações.

3. Material utilizado para estas práticas

Atualmente as tatuagens são feitas com pigmentos de origem mineral. O pigmento mais frequente é a tinta da China. Os pigmentos são compostos tanto de sais inorgânicos como mercúrio (vermelho), cromo (verde), manganês (lilás), cobalto (azul), cádmio (amarelo), hidrato de ferro (ocre) quanto de preparações orgânicas como sândalo (vermelho) e o pau-brasil (vermelho).

As tatuagens temporárias geralmente são feitas de henna, que possui uma cor avermelhada. Para que ela fique mais escura, semelhante a uma tatuagem verdadeira, costuma-se acrescentar parafenilenodiamina, que tem provocado vários tipos de reação.

O tipo de material do piercing varia do titânio ao aço, e deve-se evitar o níquel ou latão, uma vez que são potencialmente alergênicos.

4. Motivos que levam uma pessoa a usar piercing ou colocar tatuagem

Os jovens se tatuam por beleza, por influência de amigos, para participar de um determinado grupo social, por atrativo sexual, para esconder alguma imperfeição ou simplesmente por modismo. A prática da tatuagem é milenar e era utilizada por vários povos por questões religiosas e culturais.

5. Aspectos legais que regulam as técnicas da tatuagem e piercings

Não existe regulamentação sobre a formação e a certificação dos profissionais que colocam piercings e tatuagens. Muitas vezes eles aprendem a técnica simplesmente por observação. 

É preciso tomar cuidado, pois não é raro ver tatuadores e coladores de piercing trabalhando em lugares precários, mesmo estando sujeitos à regulamentação e fiscalização da Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária). 

Em São Paulo, uma lei de 1997 proíbe a aplicação de piercings e tatuagens em menores de idade, mesmo com o consentimento dos pais, ficando excluído desta lei o furo do lóbulo da orelha.

6. Possíveis complicações da tatuagem e dos piercings

Tanto a tatuagem quanto a colocação de piercing estão relacionados com diversas doenças infecciosas. O principal risco é a transmissão da Hepatite B (HBV), da Hepatite C (HCV) e do Vírus da Imunodeficiência Humana (HIV). Sífilis, tétano, tuberculose cutânea e lepra são outras infecções que podem ocorrer.

Piercing

As infecções no local do piercing podem acontecer no momento da perfuração, com uso de instrumentos não esterilizados, por falta de higiene por parte do tatuador, ou, mais tarde, por negligência do cliente nos cuidados e higiene do local. São comuns cicatrizes queloides, dermatites de contato e deformidades de orelha e nariz.

Orelha

Estas infecções são mais comuns no lóbulo da orelha, mas podem ocorrer em qualquer local. Elas são mais graves e preocupantes na parte alta da orelha, quando atacada pela bactéria pseudomonas, que é muito agressiva e de controle mais difícil, necessitando até mesmo de internação e medicação intravenosa.

Nariz

Mais grave ainda é a complicação de piercings de nariz, com progressão da infecção para dentro da face. A infecção pode atingir o seio cavernoso - que é uma estrutura situada bem perto do cérebro, podendo gerar complicações para o sistema nervoso central e até a morte.

Boca

O uso do adorno oral pode levar à obstrução das vias aéreas, fratura dos dentes, interferência na mastigação e halitose e até a problemas de dicção quando o piercing é colocado na língua. Outro risco é de sangramento e mesmo hemorragia, com necessidade de intervenção cirúrgica.

Coração

Já foram registrados casos de endocardite infecciosa (uma infecção na camada interna do coração) como complicação de piercings, tanto em pessoas portadoras de cardiopatia prévia, quanto naqueles sem doença cardíaca.

 

Tatuagem

Em relação às tatuagens, pode ocorrer infecção por uso de agulhas contaminadas e problemas na cicatrização, com formação de cicatrizes hipertróficas ou queloides. É, portanto, fundamental cuidar da assepsia local e do material utilizado.

Dermatite

Outra complicação da tatuagem é a dermatite de contato pelos pigmentos injetados na pele ou pelas pomadas cicatrizantes. Os sintomas são: coceira, vermelhidão e formação de bolhas no local da tatuagem. Se não tratadas adequadamente, estas reações podem levar a cicatrizes permanentes.

Apesar de tidas como “inócuas”, as tatuagens temporárias, feitas em festas infantis ou quiosques na praia, podem ser potencialmente danosas. As reações aos produtos químicos podem ir de leve vermelhidão e coceira até a formação de bolhas, crostas e cicatrizes.

Alergia

Quanto às tatuagens de henna, tem-se observado um aumento na ocorrência de reações alérgicas devido à parafenilenodiamina, um corante que escurece a henna. Nas primeiras aplicações pode ocorrer só a sensibilização da pele. Mas com novas exposições, pode haver reação alérgica séria, difícil de se resolver, e deixar áreas mais claras, mais escuras ou com cicatrizes permanentes. Neste caso, a criança ou adolescente ficará sensível ao produto e não poderá mais entrar em contato com a substância, gerando um problema mais sério porque é uma substância que pode estar presente em tecidos, tinturas de cabelo e cosméticos.

Olhos

Reações nos olhos aos diversos tipos de tintas e purpurinas utilizados em “maquiagens” feitas em festas infantis também têm sido descritas e devem ser avaliadas por oftalmologista, pois há risco de infecção ou lesão na córnea.

7. Com o tempo a pessoa pode se arrepender da tatuagem

Cerca de 10% dos tatuados decidem remover seus desenhos. A experiência demonstra que, com a mesma intensidade com que um adolescente deseja tatuar-se ou aplicar uma tintura em seu cabelo, ele procura, no futuro, retirá-la. É interessante que ele perceba-se num momento de experimentações, identificando suas oscilações de gostos e envolvimentos, postergando assim atitudes intempestivas e, por vezes, irreversíveis. A remoção de tatuagens ainda é pouco eficaz, dolorosa e cara. Todos esses aspectos devem ser explicados ao adolescente para uma decisão orientada e consciente.

8. Como remover tatuagens

Vários métodos são empregados na remoção de tatuagens como agentes químicos, físicos, térmicos, lasers, ou "lixando" a pele por métodos cirúrgicos. Entretanto, é preciso ter consciência de que nem todos os pigmentos podem ser removidos com estas técnicas e que podem restar cicatrizes indesejáveis, mesmo com todos os avanços da tecnologia.

 

Fonte: Departamentos Científicos de Otorrinolaringologia / Dermatologia / Adolescência