Doença pré-histórica, praga bíblica, a pediculose é a infestação do couro cabeludo por piolhos (Pediculus capitis), um artrópode muito mais comum do que se imagina, de distribuição mundial.

 Alguns pontos são muito importantes na abordagem da doença:

 - Não existem tratamentos preventivos ou profiláticos. Não adianta usar shampoos piolhicidas semanalmente - pelo contrário - isso pode trazer ainda mais resistência aos medicamentos, fato que já está ocorrendo no mundo todo. Além de dermatites no couro cabeludo, porque estes produtos são agressivos para a pele em caso de uso frequente.

- Crianças e adultos devem ser tratados de forma rigorosa. Iniciamos o tratamento com shampoos à base de permetrina e deltametrina, de tratamento em lavagem única ou por 4 ou 5 dias seguidos. Em casos mais resistentes, crianças maiores e adultos existe a opção de tratamento por via oral (ivermectina). Algumas vezes é necessário repetir o tratamento, caso ainda permaneçam as lêndeas ou piolhos.

- Após o tratamento, o cabelo deve ser "vistoriado" diariamente. Pente fino + condicionador devem ser usados por 5 dias para se certificar da erradicação. Isso contando após o fim do tratamento.

- Considera-se uma criança tratada quando não houver mais piolhos ou lêndeas (aqueles ovinhos que ficam aderidos ao couro cabeludo, em média nos 10 dias seguintes ao tratamento.

 - Além do tratamento tópico e oral, é FUNDAMENTAL a higiene ambiental. Fronhas, roupa de cama e toalhas devem ser trocados diariamente até a erradicação, até que criança esteja livre dos piolhos. Ideal é lavar roupa de cama e banho com água quente ou passar a ferro. Carpetes e tapetes do quarto, se houver, devem ser aspirados diariamente. Assim como em outros cômodos que a criança fique.

- As escolas devem ser cobradas, no sentido de avisar os pais em casos de pediculose (avisar a sala toda, para que cada um vistorie muito bem seus filhos). Se há um caso na sala e não for adequadamente tratado, a recontaminação será semanal, a epidemia na classe nunca acabará... 

As  crianças não tratadas (em que não se percebe a pediculose) são a gigantesca fonte de contaminação dos demais.